2018 será marcado com projetos de bem estar animal e boas práticas

By in
No comments

A Coordenação de Boas Práticas e Bem Estar Animal, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, expandirá em 2018 as atividades e a contratação de profissionais através do acordo com o Instituto Interamericano de Cooperação para a Agricultura. A prática de bem-estar animal é um decreto de número 8.852/2016 que atribui o bem estar dos animais de produção e interesse econômico, compartilhado entre secretarias como a de Defesa Agropecuária e de Mobilidade Social. Essa normatização sobre o bem-estar animal é uma parceria do trabalho em conjunto entre as secretarias. O contrato terá duração de um ano, de graduação em Direito com conhecimentos em agropecuária, que irá elaborar estudos sobre uma legislação de boas práticas no Brasil e em outros países tradicionais em agropecuária. Isso dará continuação no projeto de bem-estar na suinocultura, com materiais didáticos específicos, desenvolvidos para promover a capacitação e sensibilização da cadeia produtiva e de varejo. A publicação do edital de contratações das equipes para o projeto bovinocultura leiteira e de corte, e a ovinocaprinocultura, estava prevista para janeiro deste ano, segundo informações da chefe de Divisão de Bem-Estar Animal e Equideocultura, Lizie Pereira Buss. Alguns materiais didáticos serão editados para os condutores dos veículos que transportam animais vivos, como suínos, bovinos e aves. A abertura de dois novos editais está prevista para o segundo semestre de 2018, com materiais de treinamento e boas práticas no transporte e abate humanitário de equídeos e boas práticas na aquicultura e abate humanitário dos peixes. As atividades de sensibilização e capacitação de mão de obra continuaram em parceria com a Embrapa, Associação Brasileira de Criadores de Suínos e associações de criadores de suínos dos estados para as boas práticas e bem-estar na suinocultura. O foco da Embrapa Suínos e Aves e das associações serão os avicultores com trabalhos em plantéis de postura, com divulgações de boas práticas de minimização de dor e estresse do animal e sistemas alternativos de alojamentos. A importância da prevenção e combate a resistência aos antimicrobianos estarão em todas as ações de sensibilização e capacitação, bem como o vínculo entre a saúde humana, animal e ambiental, em um conceito único.